Entrevista Fashionista: Tom Vicentini

Hello fashionistas!

 Hoje teremos a nossa segunda “Entrevista Fashionista”E como o blog é eclético e não fala apenas de moda, o entrevistado dessa sexta-feira é o baixista Tom Vicentini,  da banda do Chay Suede.

Imagem

RAPIDINHA 

Nome completo: Ewerton Barbosa Vicentini

Idade: 26 anos

Cor favorita: Verde

Música favorita: Carry On My Wayward Son – Kansas

Um sonho realizado: Viver da música

Um sonho que ainda não realizou: Ter filhos

Comida favorita: Lagosta

 


A ENTREVISTA

 

SF: Quando começou seu interesse pela música?

TV: “Desde sempre! Eu sempre ficava com uma guitarrinha de plástico ou algum instrumento de brinquedo pela casa quando era pequeno.”

 

SF: E quando realmente aprendeu a tocar? Qual foi o instrumento?

TV: “Eu fiz uma aula de violão quando era bem pequeno, mas achei difícil e comecei a estudar teclado, logo depois, entrei na Faculdade de Música do Espírito Santo pra estudar piano. Eu devia ter uns 10 anos.”

 

SF: Piano é bem clássico. Como descobriu a desejo pelo baixo? São instrumentos tão diferentes.

TV: “Eu sempre ouvi muitas bandas de rock (influência do meu pai), logo me apaixonei pelo estilo e “kiss” ter uma de rock, comecei com uma banda de heavy metal onde eu tocava teclado, mas fui logo pro hard core onde não cabia teclado, aí o baixo veio como uma luva!” (SF explica: coloque “Kiss Rock” no Google e entenda o trocadilho feito pelo Tom)

 

SF: Com quantos anos passou a “depender” financeiramente da música? Se arrepende de ter feito essa escolha?

TV: “Eu sempre tentei depender 100% da música, mas isso não é uma coisa muito fácil e nem rápida de se conseguir. Até o começo do ano passado eu ainda trabalhava em uma indústria e tocava na noite.”

 

SF: Como você e Chay se conheceram?

TV: “Nós somos bem próximos, nossos pais se conhecem há muito (tempo). Meu irmão (Gabriel Vicentini) é casado com uma prima dele.”

 

SF: E quando ele propôs que vocês fizessem parte da banda? Você aceitou de imediato ou pensou na proposta primeiro?

TV: “Na hora! A gente sempre conversou sobre fazer uma banda junto.”

 

SF: Qual foi sua reação ao ver que já havia fã clubes para você? Como tem sido lidar com esse assédio?

TV: “A primeira reação foi achar engraçado, mas ao perceber o carinho e a admiração dos fãs é algo que não dá nem pra imaginar! Eles são ótimos, fazem a gente ter força e vontade de continuar.”

 

SF: Você é cristão, certo? Já enfrentou algum tipo de preconceito na igreja por fazer parte de uma banda secular?

TV:Meu pai é pastor de uma igreja cristã e sempre foi o primeiro a me apoiar. Antigamente havia um preconceito sobre isso, mas não vejo hoje isso acontecendo.”

 

SF: Quais são seus planos profissionais e pessoais daqui para frente?

TV: “Tem muita coisa acontecendo agora e muita coisa pra acontecer esse ano ainda. Eu vou ficar focado ao máximo no projeto com Chay, mas tenho alguns planos pro ano que vem.”

 

SF: Vai manter esses planos em segredo até que se concretizem ou pode adiantar alguma coisa?

TV: “Não vai ser a única banda que eu vou fazer parte.” (Se referindo à banda do Chay)

 

SF: Vocês (da banda) moraram juntos durante um tempo. Como foi esse período? Conseguiam manter tudo organizado e ter uma boa convivência?

TV: “Pois é, moramos alguns meses juntos e a casa sempre ficou muito limpa! Tirando alguns tênis, algumas calças e alguns instrumentos pelo chão da casa!  Dia 22 (de abril) a gente volta a morar juntos em São Paulo, vamos ver como vai ser agora! A gente sempre teve um ótimo relacionamento.”

 

SF: Para fechar: o que você tem a dizer aos fãs do Chay e, que, agora, também se tornaram seus fãs?

TV: “Quero agradecer o carinho e dizer que a gente só tá começando, tem muitas novidades boas vindo.”

 

Eu amei ter conversado com o Tom! Ele é um fofo e muito talentoso. #vireifã  

                                             Espero que tenham gostado!

 

#beijocomglitter

Bia Brandão.

 

Anúncios